Artigos

FDIC: o que é e o que faz essa instituição nos EUA

O FDIC, ou Federal Deposit Insurance Corporation, é uma agência governamental nos Estados Unidos estabelecida em 1933 durante a Grande Depressão. Ele atua como um seguro para os depósitos bancários, protegendo os fundos dos depositantes em caso de falência de um banco membro, até um determinado limite por depositante.
FDIC

Nos Estados Unidos, a confiança no sistema bancário é essencial para qualquer pessoa que deposita seu dinheiro em bancos. Sendo assim, a FDIC desempenha um papel vital nesse cenário, garantindo a segurança dos fundos depositados.

Neste artigo, vamos entender detalhadamente o que é a FDIC e qual é sua função no contexto do sistema bancário americano. Então vamos descobrir como essa instituição se tornou essencial para assegurar a estabilidade financeira e proteger os depositantes em meio às dinâmicas econômicas do país.

História do FDIC

A história do FDIC remonta à época da Grande Depressão nos Estados Unidos, na década de 1930. Durante esse período tumultuado da história econômica americana, muitos bancos enfrentaram dificuldades e faliram, resultando na perda das economias de milhões de cidadãos.

Em resposta a essa crise financeira e para restabelecer a confiança no sistema bancário, o governo dos EUA promulgou a Lei Glass-Steagall em 1933. Esta legislação incluiu a criação do FDIC como uma medida para proteger os depósitos bancários.

Desde sua fundação, o FDIC tem sido um pilar da segurança financeira nos Estados Unidos. Desde então, nenhum depositante segurado pelo FDIC perdeu dinheiro, evidenciando a eficácia dessa instituição em manter a estabilidade do sistema bancário americano ao longo das décadas.

A criação do FDIC marcou um ponto crucial na história financeira dos EUA, fornecendo segurança aos depositantes e desempenhando um papel vital na restauração da confiança no sistema bancário durante um período de grande incerteza econômica.

O que é o FDIC?

O FDIC, ou Federal Deposit Insurance Corporation, é uma entidade do governo dos Estados Unidos criada em resposta à turbulência financeira da Grande Depressão na década de 1930.

Sua criação foi um marco para a proteção das pessoas que faziam depósitos e a estabilidade do sistema bancário. Ou seja, o FDIC funciona como um seguro para os depósitos bancários, oferecendo uma camada de segurança aos fundos depositados, mesmo em situações de falência bancária.

Para que serve o FDIC?

A principal função do FDIC é assegurar os depositantes, ou seja, ele atua como um mecanismo de proteção, garantindo que, se um banco vier a falir, os depositantes não perderão seus fundos segurados pela FDIC.

Essa segurança é vital para manter a confiança dos depositantes no sistema bancário e evitar corridas bancárias que possam desestabilizar o sistema financeiro, assim como aconteceu com o Silicon Valley Bank, onde ocorreu essa desestabilização por conta de diversos saques por problema na economia.

Quanto FDIC cobre?

O FDIC oferece um seguro de depósito que protege os fundos dos depositantes em caso de falência bancária. Atualmente, o limite de cobertura do FDIC é de U$ 250.000 por depositante, por banco membro.

Isso significa que se um indivíduo tiver até U$ 250.000 depositados em um único banco, seus fundos estão totalmente assegurados pelo FDIC. É importante ressaltar que este limite é aplicado individualmente para cada tipo de conta e para cada banco membro do FDIC.

Por exemplo, se alguém tiver contas em diferentes categorias em um mesmo banco ou em diferentes bancos membros do FDIC, cada uma dessas contas estará segurada até o limite de U$ 250.000, proporcionando uma camada significativa de proteção para os depositantes.

Qual é o papel do FDIC?

O FDIC desempenha um papel fundamental no sistema bancário dos Estados Unidos. Sua atuação se desdobra em diversas frentes para garantir a estabilidade e a segurança dos depósitos bancários como dito anteriormente, cumprindo objetivos específicos:

  • Proteger os depositantes: O principal objetivo do FDIC é resguardar os depositantes, garantindo que seus fundos estejam seguros em caso de falência bancária.
  • Promover a estabilidade financeira: Ao oferecer esse seguro aos depósitos, o FDIC contribui para a estabilidade do sistema bancário. Isso ajuda a manter a confiança dos depositantes, impedindo possíveis impactos negativos na economia causados por falências em larga escala.
  • Minimizar interrupções econômicas: O FDIC também trabalha para reduzir interrupções na economia provenientes de falências bancárias. Ao garantir que os depositantes recebam seus fundos segurados, mesmo em situações extremas, evita-se o impacto prejudicial que poderia ocorrer devido à perda de confiança no sistema bancário.

Esses objetivos refletem a missão essencial do FDIC de proteger os depositantes e manter a solidez do sistema financeiro dos EUA, contribuindo para a confiança e a estabilidade econômica do país.

Diferenças entre o FGC e FDIC

No contexto financeiro, tanto o FGC no Brasil quanto o FDIC nos Estados Unidos têm a missão de proteger os depositantes, porém, operam em jurisdições diferentes e apresentam diferenças cruciais em suas estruturas.

O FGC brasileiro assegura depósitos em instituições financeiras no Brasil, enquanto o FDIC americano oferece proteção semelhante, mas nos bancos dos EUA. As diferenças principais residem nos limites de cobertura e nas regulamentações específicas para cada país.

No Brasil, o FGC garante até R$ 250.000 por CPF e por instituição financeira em caso de falência, já nos Estados Unidos, o FDIC oferece cobertura de até U$ 250.000 por depositante, por banco membro. Além disso, cada um tem suas próprias regras e abrangência sobre os tipos de contas e produtos que são protegidos.

Outro aspecto importante é que o FGC cobre apenas certos tipos de depósitos, como depósitos à vista, depósitos de poupança, depósitos a prazo, letras de câmbio e letras imobiliárias. Enquanto isso, o FDIC não cobre outros produtos financeiros e serviços bancários, como ações, títulos de renda fixa, fundos de investimento, entre outros.

Essas distinções são fundamentais para os depositantes e investidores entenderem as garantias oferecidas em cada país e as especificidades dos sistemas de segurança financeira.

Sumário

Invista no exterior de forma profissional!

Aprenda como investir na maior bolsa de valores do mundo.

Leo Fittipaldi
Leo Fittipaldi
Fundador da Dolarame e analista de investimentos certificado (CNPI 3214). Já foi analista de risco na maior Asset do Brasil, atuando em fundos de investimentos com alguns bilhões de reais sob gestão. Atualmente é um dos maiores especialistas em investimentos internacionais do país.

Separamos mais esses artigos para você:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
Abrir o bate-papo
1
Posso te ajudar?
Olá, posso te ajudar?